Regulamento Internacional de Provas de Trabalho para Cães de Utilidade e de Competições para Cães de Faro da FCI

 

VÁLIDO A PARTIR DE 01 DE MAIO DE 2004

 

SOCIEDADE BRASILEIRA CÃES PASTORES ALEMÃES

 

 A) DISPOSIÇÕES GERAIS

 

Vigência

 

Este Regulamento foi elaborado pela Comissão para Cães de Utilidade da FCI (AZG) e esta o ratificou e aceitou em 16.08.2003 na Suíça. Este Regulamento entrará em vigor no Brasil, em 1° de maio de 2004 e substitui todas as disposições anteriores.

 

Este Regulamento foi elaborado em alemão pela Comissão. Em caso de dúvida, ou mais particularmente, devido à tradução em outros idiomas, o texto alemão será decisivo.

 

Este Regulamento será válido em todos os países membros da FCI. Todas as Provas de caráter internacional (Campeonatos e torneios) acolhem este regulamento. Com a sua adoção, todas as disposições anteriores são canceladas.

 

Generalidades:

 

Os Campeonatos e as provas devem ter dois objetivos. Por um lado, o cão deverá demonstrar aptidão para cumprir os seus objetivos de utilidade. Por outro, o cão deverá demonstrar se suas capacidades de trabalho se transmitem de geração em geração e que, inclusive, as melhoram. Ademais, as provas e competições servem para manter e favorecer a saúde e a resistência dos cães de utilidade. As participações nestes concursos, servem como prova de aptidão para a criação destes cães.

 

Neste sentido, recomenda-se às Organizações Cinológicas Nacionais, que promovam estes concursos.

 

As competições internacionais se organizam segundo este Regulamento.

 

Quanto à organização e comportamento dos participantes, todas as provas e competições acolhem o principio de desportividade (Fair Play). As disposições deste regulamento são obrigatórias para todos. Todos os competidores têm que cumprir as mesmas exigências. As provas e competições devem ser dadas a conhecer publicamente e todos os participantes devem conhecer as características, lugar e horário de inicio das provas.

 

As provas e competições devem incluir cada disciplina completa do programa ou podem estar organizadas em disciplinas separadas, por exemplo: ABC; A; BC. No transcurso de uma disciplina completa (ABC), o êxito de uma prova se reconhece como distintivo do grau ou nível correspondente. Este distintivo de grau ou nível deve estar reconhecido por cada país membro da FCI.

 

Temporada de Competições:

 

Se as condições atmosféricas assim permitirem, podem-se organizar provas de RCI / IPO / CAc / PVCT 1, 2 e 3 e provas de Faro durante todo o ano. Quando a segurança e a saúde dos participantes e dos cães estejam em perigo,  pode-se  cancelar a prova. Esta decisão caberá ao Juiz da prova. A organização nacional de cinologia poderá limitar a temporada das competições por critérios de calendário próprios.

 

Organização de Competições / Diretor de Provas

 

O Diretor de Provas é o responsável por tudo o que concerne à organização da competição. Leva a termo e controla todos os preparativos relativos à prova e a sua execução. Deve garantir o bom desenvolvimento da prova e estar à disposição do Juiz durante a totalidade da mesma. Por isso, o Diretor de Prova não pode apresentar nenhum cão ou desempenhar qualquer outra função durante o evento. Ele está obrigado, entre outros aspectos, a:

 

       Encarregar-se das autorizações correspondentes à organização;

       Preparar os terrenos adequados para cada disciplina da prova;

       Acordar permissão de uso com os proprietários dos terrenos de faro e dos respectivos exercícios de caça;

       Preparar pessoal autorizado como p.ex.: figurantes, marcadores de pistas, equipe para grupo, pessoal de apoio, etc;

       Encarregar-se dos horários das provas;

       Providenciar  os equipamentos necessários e as vestimentas dos figurantes;

       Preparar a documentação necessária tais como formulários de qualificação, lista de inscrição, catálogo, etc;

       Verificar a disponibilidade de Livretos de Resultados, Pedigrees, Certificados de Vacinação e, quando for o caso, de Seguros de Responsabilidade Civil.

 

A ele cabe comprovar, com, pelo menos,  04 (quatro) semanas de antecedência, se a autorização e as homologações estão em ordem. Pelo menos 03 (três) dias antes da prova, o Diretor da Prova deve avisar o Juiz sobre o lugar, o  horário de inicio, a natureza das provas, o número de inscrições e os nomes dos participantes. Se isto não ocorrer, o Juiz tem o direito de renunciar ao julgamento.

 

O Diretor de Prova não pode, nunca, participar como competidor, da prova que dirige.

 

 Juizes de Trabalho

 

As provas só podem ser julgadas por juízes de trabalho reconhecidos pela sua Organização Cinófila Nacional. Para competições internacionais, só poderão julgar aqueles juízes que forem qualificados para esse nível. Devem-se aplicar as disposições da FCI/WUSV. A organização pode convidar o número de juízes que desejar, obedecendo ao limite máximo de 30 seções julgadas para cada Juiz, por dia. Cada tipo de prova tem um número definido de seções, conforme tabela a seguir:

 

CAc com teste de conhecimento

corresponde a 3 seções

CAc sem teste de conhecimento

corresponde a 2 seções

CT 1, CT 2, CT 3

corresponde a 3 seções, cada

Prova de Faro 1 a 3

corresponde a 3 seções por pista

Prova de Localização de Objetos 1 a 3

corresponde a 1 seção cada

Prova de Cão de Vigilância

corresponde a 2 seções cada

Prova de Aptidão p/ Cão de Salvamento

corresponde a 2 seções cada

 

 

Exceção: Para os grandes campeonatos, a organização nacional poderá ajustar o número de julgamentos permitidos de um modo mais adequado.

 

É proibido, ao Juiz, julgar cães que sejam de sua propriedade ou que estejam confiados a ele, assim como cães cujos proprietários vivam sob o mesmo teto que ele. Poder-se-á fazer uma exceção quando o Juiz for designado pela Organização Cinófila Nacional ou por uma Comissão específica para eventos especiais.

 

O Juiz não pode provocar ou influenciar o comportamento do cão que está trabalhando. O Juiz é responsável pela correta aplicação do Regulamento. Quando o Regulamento não estiver sendo respeitado, o Juiz poderá interromper a competição. Neste caso, fica ele obrigado a enviar um relatório sobre a ocorrência para a Organização Cinófila Nacional.

 

 

A decisão do Juiz é inapelável. Críticas externadas poderão trazer como conseqüência, a exclusão do competidor que poderá responder por medidas disciplinares. Quando houver descumprimento do Regulamento por parte do Juiz, poderá ser apresentado reclamação no prazo de 8 (oito) dias. Esta reclamação deve ser enviada ao Diretor da Prova, que a encaminhará à Organização Cinófila Nacional. O fato de a reclamação ser aceita, não implica, necessariamente, na modificação dos resultados. A Organização Cinófila Nacional poderá encaminhar esta reclamação para a Comissão de Cães de Trabalho, que decidirá em última instância.

 

O Juiz tem poder de retirar do campo de prova um cão lesionado, inclusive contra a vontade do Condutor. Quando um Condutor retira da prova o seu cão, o Juiz deverá lançar na súmula “abandono por causa injustificada” e quando o Condutor retira o cão por motivo de doença, apresentando um Certificado Veterinário, ou por eventual lesão ocorrida durante a prova, o Juiz deve considerar o abandono como “Abandono por lesão ou doença”. O Juiz deverá anotar essa ocorrência no Livreto de Provas do Cão. Um Juiz tem a autoridade de desclassificar um competidor se este demonstrar atitude anti-esportiva, estiver de posse de qualquer objeto motivacional para o cão, alimento ou brinquedos.

 

Participantes de Provas

 

Os participantes devem respeitar os prazos de inscrição. Ao se inscreverem, os competidores se comprometem a pagar os gastos com a inscrição. 

 

Se, por alguma razão, o competidor não puder estar presente, deve comunicar imediatamente ao Diretor da Prova. O participante deve obedecer às normas em vigor relativas às exigências veterinárias e de proteção aos animais. Os competidores submetem-se às ordens do Juiz e do Diretor de Prova. A apresentação deve ocorrer com atitude esportiva. Em caso de reprovação em alguma seção, o participante deverá continuar a apresentar o seu cão até o final da prova. Esta só se encerra, quando da divulgação oficial dos resultados, da entrega dos prêmios e dos livretos dos cães com os devidos assentamentos dos resultados.

 

O Condutor deverá portar consigo, durante todo o tempo de duração da prova, a guia do seu cão. Esta deverá estar guardada em seu bolso ou pendurada em seu ombro, desde que o mosquetão fique do lado oposto ao do cão, portanto à direita do Condutor. Isso implica também que o cão deverá portar durante todo o tempo da prova, um colar de elos largos, no pescoço, com folga suficiente para não produzir nenhum desconforto ou sensação de enforcamento. Nenhum outro tipo de colar, por exemplo, de couro, de espinhos, etc, poderá ser utilizado em qualquer prova, com exceção das provas de Cac e de Faro onde nelas, o cão poderá portar um peitoral, sem, todavia, quaisquer presilhas adicionais.

 

Os comandos ou sinais sonoros permitidos são curtos, dados em tom normal e são formados por uma única palavra. Podem ser dados em qualquer idioma, mas um comando deve ser sempre o mesmo para uma mesma ação.

 

Um Condutor poderá apresentar, na mesma prova no máximo 2 (dois) cães. A ordem de participação dos concorrentes se processará por sorteio.

 

Limitações Físicas

 

Quando um Condutor devido a limitações físicas não puder apresentar seu cão conduzindo-o ao seu lado esquerdo, poderá fazê-lo, de forma análoga, conduzindo-o ao seu lado direito. Desta forma, prevalecem todas as demais disposições.

 

 

 

 

 

Obrigatoriedade de focinheira

 

A legislação local relativa à condução de cães em áreas públicas deve ser respeitada. Desta forma, Condutores que estejam submetidos a condições legais desta natureza, poderão conduzir seus cães, p.ex. na prova de CAc, Vias Públicas, portando focinheira.

 

Condições para Admissão:

 

No dia da prova, o cão deverá ter a idade completa mínima requerida. Não se fará qualquer exceção.

 

Cão Acompanhante – CAc..............................................................15 meses

Prova de Faro - PF..........................................................................15 meses

Prova de Localização de Objetos – PLO........................................15 meses

Cão de Trabalho nível 1 – CT 1......................................................18 meses

Cão de Trabalho nível 2 – CT 2......................................................19 meses

Cão de Trabalho nível 3 – CT 3......................................................20 meses

Cão de Trabalho com Cão de Faro – CT-CF..................................20 meses

Cão de Faro nível 1 – CF 1............................................................18 meses

Cão de Faro nível 2 - CF 2.............................................................20 meses

Prova de Aptidão para Cão de Salvamento – PACS......................15 meses

Cão de Vigilância – CV...................................................................15 meses 

Um Condutor só poderá apresentar, no máximo, dois cães por prova.

 

Um cão só poderá participar de uma competição por vez. Por exemplo: não poderá fazer CAc pela manhã e CT à tarde.

 

Poderão participar das provas, todos os cães de trabalho e utilidade, independente de raça ou tamanho, desde que possuam propriedades inerentes ao desenvolvimento das Provas para Cães de Trabalho

 

Um cão poderá concorrer várias vezes em um mesmo nível de prova. As aprovações, nos níveis de 1 a 3, devem ser sequenciais. Um cão sómente poderá tentar o nível seguinte, quando tiver sido aprovado no anterior. Para tal, devem ser alcançados 80 (oitenta) pontos, no mínimo, na Seção C.

As idades mínimas devem ser atendidas.

O cão deverá ser, sempre, conduzido no nível mais alto em que estiver aprovado, excessão feita  quando não houver implicação de colocação ou  qualificação (repetente).

 

As cadelas no cio podem participar das provas, porém devem ser separadas dos demais participantes.  Apresentam-se na seção A, conforme a ordem de sorteio e no resto das disciplinas sempre em último lugar. Cadelas prenhes ou amamentando são impedidas de participar. Devem ser excluídos das  provas, animais enfermos ou com possíveis infecções.

O número mínimo de participantes, de um evento, é fixado em 4 (quatro). Provas individuais não são permitidas.

Se para um mesmo evento estiver programada uma Prova de Resistência, o Juíz poderá, a seu critério, aceitar realizá-la ao final. Não existe obrigatoriedade.

Na Prova de Resistência poderão ser admitidos cães que, naquele evento, tenham participado das demais provas.

A soma de cães participantes da Prova de Resistência ao das Provas de Trabalho, para fins de número mínimo de participantes, não é permitida.

 

 

 

 

 

Prova de Caráter: 

 

No início de cada evento, antes da realização do primeiro exercício da primeira seção, o Juiz deve fazer com que cada cão se submeta a uma prova de caráter. Uma parte importante desta prova é o controle da identidade do cão onde deve ser verificada a tatuagem, chip, etc. Os exemplares que não forem aprovados nesta prova, não poderão participar da competição e deverão ser desqualificados. 

O Juiz deve avaliar o caráter do cão durante o desenvolvimento de toda a prova. Se constatado qualquer problema de caráter, o cão deverá ser desclassificado imediatamente. O Juiz deve relatar o fato no Livreto de Provas do cão, fazendo alusão à instabilidade de comportamento. A desqualificação por motivo de deficiência de caráter terá que ser comunicada à entidade cinófila nacional.

 

a)      Realização da Prova de Caráter:

 

1)     A prova deve ser realizada em condições ambientais normais e em lugar neutro para o cão;

2)     Todos os cães presentes devem se apresentar individualmente ao Juiz;

3)     O cão deve ser conduzido com uma guia comum, sem estar tensa e sem a função de enforcador no colar;

4)     É proibida qualquer influência do Juiz sobre o cão. Tampouco é permitido ao Juiz tocar o cão.

 

b)     Avaliação:

 

a)     Comportamento positivo do cão: neutro, consciente do seu valor, autoconfiante, atento, temperamento firme, espontâneo,

b)    Casos limites que, todavia, podem ainda ser admitidos: algo instável, ligeiramente excitado, ligeiramente inseguro. Embora esses cães possam ser admitidos, devem ser cuidadosamente observados no decorrer de toda a prova,

c)     Comportamento negativo do cão: tímido, pouco seguro de si, assustado, furioso, agressivo, sensível ao ruído de tiro, etc. Os cães, que mostrem tal comportamento, serão excluídos da competição.

 

O resultado da prova compõe-se da nota (qualificação) e dos pontos obtidos.. As notas (qualificação) e os pontos devem corresponder ao desempenho em  cada exercício.

 

c)      Tabela de Pontuação e Notas (qualificação)

 

 

Pontuação máxima

Excelente

Muito Bom

Bom

Suficiente

Insuficiente

5,0

5,0

4,5

4,0

3,5

3,0 – 0

10,0

10,0

9,5 – 9,0

8,5 – 8,0

7,5 – 7,0

6,5 – 0

15,0

15,0 – 14,5

14,0 – 13,5

13,0 – 12,0

11,5 – 10,5

10,0 – 0

20,0

20,0 – 19,5

19,0 – 18,0

17,5 – 16,0

15,5 – 14,0

13,5 – 0

30,0

30,0 – 29,5

28,5 – 27,0

26,5 – 24,0

23,5 – 21,0 

20,5 – 0

35,0

35,0 – 33,0

32,5 – 31,5

31,0 – 28,0

27,5 – 24,5

24,0 - 0

70,0

70,0 – 66,5

66,0 – 63,0

62,5 – 56,0

55,5 – 49,0

48,5 - 0

80,0

80,0 – 76,0

75,5 – 72,0

71,5 – 64,0

63,5 – 56,0

55,5 - 0

100,0

100,0 – 96,0

95,5 – 90,0

89,5 – 80,0

79,5 – 70,0

69,5 - 0

 

 

 

 

 

d)     Cálculo em Porcentagem:

 

 

Avaliação

Concessão

Penalização

Excelente

= mínimo de 96%

Menos de 4%

Muito Bom

= 95 até 90%

Menos de   5 até  10%

Bom

= 89 até 80%

Menos de 11 até  20%

Suficiente

= 79 até 70%

Menos de 21 até  30%

Insuficiente

Abaixo de 70%

Menos de 31 até 100%

 

A pontuação total de uma seção só será dada em pontos inteiros. Ao contrário dos exercícios de uma seção, que poderão ter meios pontos. Porém, se, no resultado final da seção, a soma resultar  em  pontuação quebrada, o Juiz terá que arredondá-la para cima ou para baixo.

 

Em caso de empate, as melhores notas na seção “C” prevalecerão para a classificação. Se persistir o empate, dever-se-á considerar as melhores notas obtidas na seção “B”. Os resultados coincidindo nas três seções, a classificação será considerada empatada.

 

e)    Desqualificação:

 

Se o Juíz constatar deficiência de caráter do cão, atitude anti- esportiva do Condutor (p. ex.: ingestão de álcool, porte de objeto motivacional e/ou alimento), infrações ao Regulamento ou atentado aos bons costumes, a dupla deverá ser desqualificada pelo restante da prova.

Nestas desqualificações, todos os pontos até ali obtidos (também os das demais seções) são eliminados. Nas súmulas correspondentes, não devem ser lançados nem conceitos nem pontos. Se o cão não permanecer sob controle do Condutor (p. ex.: no transporte frontal/lateral, ou se o cão se afastar do Condutor ou do campo, não retornando até um terceiro comando; se o cão não largar após o 3º comando; se o cão morder o figurante em partes que não a manga protetora, a dupla deve ser desqualificada.

Nestas desqualificações, os pontos até ali obtidos na seção são eliminados. Nas súmulas correspondentes, não são lançados nem conceitos nem pontos para a seção correspondente.

 

ESCLARECIMENTO IMPORTANTE

 

A Desqualificação pode ser decidida pelo Juiz em diversas ocasiões e situações da prova. Dependendo do motivo da desqualificação, serão eliminados, somente, os pontos da Seção correspondente que ocasionou a desqualificação, mantendo-se os pontos das outras Seções, ou todos os pontos obtidos até aquela ocasião na  prova, inclusive das outras Seções.

 

A Desqualificação elimina o time  “Condutor - Cão” da prova, não mais podendo o time  participar das seções  subsequentes. Na entrega do prêmio e comunicação dos resultados, no entanto,  o time deverá  participar.

 

a)     Desqualificações que desconsideram somente os pontos da Seção correspondente que gerou a desqualificação, mantendo-se os pontos que já tiverem sido obtidos em outra(s) seção(ões), anteriormente à desqualificação:

Tanto no livreto do cão como nas súmulas, não deverão ser registrados, para esta Seção, nem pontos nem conceitos, mas somente o motivo da desqualificação. Os pontos de alguma seção anterior à esta, na qual o time tenha participado, ficam mantidos.

Exemplos de Motivos para Desqualificação:

       Cão abandona o Condutor ou o campo de prova e não retorna, mesmo após três comandos; 

       Cão abandona a pista para correr atrás de uma caça e, apesar do comando do Condutor para deitar, não obedece e não se deixa mais colocar na pista;

       Cão indica o objeto na pista de faro, apanhando-o, e nega-se a entregá-lo ao seu condutor, apesar de três comandos do Condutor para fazê-lo;

       Cão não entrega o halter nos exercícios de busca, apesar de três comandos do Condutor para fazê-lo;

       Cão que não se mantem sob controle do Condutor, afastando-se do mesmo, por exemplo durante o transporte lateral ou frontal, impedindo assim a continuação do exercício;

       Cão que nos exercícios de morder não larga após o 3º comando, depois do Juiz esperar um tempo razoável (tempo de espera depende da situação);

       Cão que morde em outras partes do Figurante, que não sejam a manga. Aqui, o cão tem que efetivamente morder. Tocando com o focinho ou ameaçando morder, mas não mordendo, não implicará em desqualificação;

Observação: Este tipo de desqualificação não afeta o condutor se este estiver apresentando um segundo cão na mesma prova. Sómente o cão é desqualificado, neste caso.

.

b)    Desqualificações que desconsideram todos os pontos da prova, mesmos aqueles                             obtidos em outras Seções, antes da desqualificação:

Tanto no livreto do cão como nas súmulas não deverão ser registrados nem pontos, nem conceitos, mas somente o motivo da desqualificação.

 

       Cão não é aprovado na prova do caráter (timidez, medo, super-agressividade, descontrole, sensibilidade ao tiro, etc.);

       Atitude anti-esportiva do Condutor (por ex. ingestão de álcool, condução de objetos motivacionais ou petiscos (mesmo ocultos), durante a realização da prova;

       Infrações aos bons costumes;

       Infrações que ferem as leis de proteção aos animais;

       Infrações contra o Regulamento de  Prova;

       Cão que, para largar, necessita de ajudas corporais ou manuais do Condutor;

Observação: As desqualificações causadas por atitude do condutor, afetam condutor e cão, que não mais poderão continuar na prova, sofrendo perda total de pontos.

f)        Avaliação de Desempenho

 

Um cão é considerado aprovado quando obtiver, pelo menos, 70 % dos pontos possíveis de cada seção, a excessão do mencionado no ítem Condições para Admissão ( pg. 5 ).

 

 

Pontuação

Excelente

Muito Bom

BOM

Suficiente

Insuficiente

100

100 – 96

95 – 90

89 – 80

79 – 70

69 – 0

200

200 – 192

191 - 180

179 – 160

159 – 140

139 – 0

300

300 – 286

285 – 270

269 – 240

239 – 210

209 - 0

 

 

g)       Livreto do Cão de Trabalho:

 

Esse livreto é documento obrigatório para todos os cães participantes. Segundo o Regulamento, este Livreto de Provas de Trabalho deve ser providenciado pela Organização Cinófila Nacional, devendo-se assegurar que cada cão tenha um único exemplar do mesmo. A responsabilidade de controle recai sobre a entidade organizadora da competição. O Juiz tem a obrigação de fazer a anotação do resultado da prova no livreto que deve ser assinado por ele e pelo diretor da prova.

 

 

h)       Responsabilidades:

 

O proprietário do cão é o responsável por quaisquer danos pessoais ou materiais que o seu cão produza no decorrer da competição. Por conseguinte, deve estar coberto por seguro adequado para o caso. O Condutor segue as determinações do Juiz e da organização da competição voluntariamente e as executa sob risco próprio.

Os Certificados de Vacinação exigidos legalmente devem ser, obrigatoriamente, apresentados ao Juíz e/ou ao Diretor de Prova.

 

 

i)     Auditorias

 

Os clubes membros da AZG poderão realizar auditorias. Uma pessoa qualificada e credenciada verifica o fiel cumprimento das disposições do Regulamento.

 

 

j)     Avaliação do IAR (Impulsos / Autoconfiança / Resistência à Pressão)

 

A avaliação do IAR visa determinar as características comportamentais do cão no sentido de seu emprego na criação. A avaliação do IAR não influi no resultado da prova ou na classificação na competição.

Para obter um conceito de IAR, o cão deverá ter realizado, ao menos, uma seção de trabalho de proteção.

Com os predicados “marcante” (M), “ existente” (E) e “ insuficiente” (I) são conceituadas as seguintes propriedades: Impulsos , Auto confiança e Resistência à pressão.

 

       cão obtem IAR “acentuado” quando apresenta: elevada disposição para o trabalho, impulsos naturais claramente destacados, objetividade na execução dos exercícios, imagem de autoconfiança, atenção sem limitações, capacidade muito elevada de suportar pressões.

       cão obtem IAR “ existente” quando apresenta: limitações na disposição para o trabalho, nos impulsos naturais, na autoconfiança, na capacidade de suportar pressões.

       cão obtem  IAR “ insuficiente” quando apresenta: insuficiência na disposição para o trabalho, nos impulsos naturais, ausência de autoconfiança, insuficiente capacidade de suportar pressões.

 

k)   Normas Disciplinares

 

       O Diretor do evento é responsável pela garantia da manutenção da ordem e da segurança em toda a área do evento

       O Juíz tem o direito de interromper ou encerrar um evento no caso de falta de condições de ordem e segurança.

      o desrespeito  do  Condutor  a  estes  dispositivos,  ao  Regulamento de Provas, à legislação de proteção aos animais e aos bons costumes, podem levar à sua exclusão do evento.       O Juiz, neste caso, deve relatar a ocorrência ao clube ou sociedade correspondente, que         deverá tomar posição em relação ao ocorrido, podendo determinar medidas disciplinares.       Eliminações devem ser decididas de acordo com os estatutos das entidades e, em todo caso,            comunicadas à entidade nacional, podendo ser publicada nos seus boletins.

 

l)   Disposições Gerais

 

Os clubes ou entidades membros da AZG tem o direito de ampliar as disposições gerais, para a sua área de competência, em relação, p.ex., à admissão, normas veterinárias, sanitárias, de proteção aos animais ou com base na legislação local.

 

 

B)          NORMAS PARA FIGURAÇÃO

 

a)             Condições para atuação como Figurante na Seção C

 

1.     As normas e regras  referentes à atuação do Figurante, conforme o regulamento, devem ser obedecidas;

 

2.     O Figurante será considerado assistente do Juiz para a seção C, no dia da prova;

 

3.     Visando a segurança em geral, o Figurante só poderá atuar, tanto nos treinos nos núcleos como também em provas e campeonatos, usando roupas especiais (calça, jaqueta e manga);

 

4.     O calçado deve, também, ser compatível com as condições climáticas e solo, pelo ponto de vista da segurança;

 

5.     Antes do início de sua atuação, o Figurante deverá receber instruções do Juiz, as quais   deverá seguir, estritamente;

 

6.     O Figurante deve seguir as instruções do Juiz no que concernem às atividades de desarmamento após o ataque, que deverá ser de acordo com o regulamento. O Figurante deve se posicionar de tal modo que permita ao Condutor colocar- se na posição básica antes dos transportes lateral  e frontal.

 

7.     Em provas de núcleo pode-se trabalhar com 1 (um) Figurante somente. Em provas com mais de  7 (sete) cães, deve-se trabalhar com 2(dois) Figurantes. Em provas regionais,  campeonatos, provas de qualificação, etc... deve-se trabalhar com, no mínimo, 2(dois) Figurantes.  

 

 

 

 

 

 

 

 

b)             Princípios relativos ao comportamento do Figurante atuante em provas

 

 

1.     Geral

 

No decorrer da prova, o Juiz deverá avaliar o nível de treinamento e a qualidade do cão (por ex. intensidade dos impulsos, resistência à pressão, auto-segurança e obediência). O Juiz só pode avaliar objetivamente aquilo que ele sonora e visualmente presencia na prova.

 

Nesse contexto, isto só poderá acontecer, principalmente considerando o caráter esportivo (ou seja, mesmas condições para todos os cães), caso o  Figurante apresente, na sua figuração, ao Juiz um quadro claro, transparente e sem dúvidas no que concerne a uniformidade de atuação com todos os cães.

 

Não deve-se deixar ao arbítrio do Figurante, como ele atuará na sua figuração. Ele deverá  obedecer uma série de regras, seguindo o regulamento.

 

O Juiz deverá observar, nas provas, os elementos mais importantes para os critérios de avaliação do cão nessa seção C. Estes são por ex.: tenacidade, auto confiança, intensidade de impulsos, obediência. Além disso, a qualidade da mordida deverá também ser avaliada especificamente. Assim, se a qualidade da mordida do cão tiver que ser avaliada, o Figurante deverá dar ao cão a possibilidade de ter uma “boa mordida“ , como, também, se a tenacidade do cão tiver que ser testada, o Figurante deverá, igualmente, atuar com a pressão devida para permitir essa  avaliação.   

É primordial que a atuação  do Figurante seja, na medida do possível, igual para todos os cães da prova, no intuito de possibilitar ao  Juiz uma avaliação justa nessa seção.

 

2.     Vigiar e latir (graus 1 a 3)

 

O Figurante coloca-se no esconderijo, com a manga parada e ligeiramente inclinada  e sem postura ameaçadora. A manga serve como proteção do seu corpo. Durante a “vigilância e o latido“ no esconderijo, o Figurante permanece olhando para o cão, sem atitude ameaçadora e,  sem estimulá-lo ou ajudá-lo a vigiar ou a latir. O bastão regulamentar é seguro lateralmente e  permanece apontado para o chão.

 

3.     Impedimento de  fuga do Figurante (graus 1 a 3)

 

Após a “vigilância e latido “ e, por  ordem do Juiz, o Figurante sai do esconderijo em passos normais e coloca-se no lugar indicado pelo Juiz (posição de fuga previamente marcada). O posicionamento do Figurante deve ser tal que possibilite ao Condutor colocar seu cão a uma distância de 5 passos do Figurante, lateralmente e direcionado para o  lado em que a manga se encontra. A direção de fuga do Figurante deve ser claramente conhecida pelo Condutor.

 

Sob comando do Juiz, o Figurante empreende uma fuga em linha reta, correndo rápida e energicamente, sem exagero e descontrole. Durante a fuga, a manga não deve sofrer  movimentos bruscos e o cão deve receber condições ótimas para a mordida. O Figurante não deve, de maneira alguma, virar-se para o cão durante a fuga, podendo, entretanto, olhá-lo com o canto dos olhos. Durante a fuga, a manga não deve ser recolhida junto ao corpo pelo figurante. Após  o cão morder, o Figurante continua correndo em linha reta puxando a manga para junto de seu corpo.

 

A distância da fuga será determinada pelo Juiz. O Figurante termina a fuga sob ordem do Juiz. A fuga deve ser feita com uma dinâmica tal, que permita, ao Juiz, uma ótima possibilidade de avaliação do desempenho do cão. Não é permitida ajuda do Figurante, como por ex.: oferecimento exagerado da manga antes da mordida, estímulo ao cão com gritos ou ruídos, batidas com o bastão no macacão, antes e durante a fuga, segurar a manga sem tensão após a mordida,  diminuição da velocidade de fuga, interrupção da fuga autônomamente, sem ordem do Juiz, etc.

 

Para posicionamento do Figurante, veja ponto 8, a seguir (válido para todos exercícios).

 

4.     Defesa de ataque durante a vigilância (graus 1 a 3)

 

Após a fase de vigilância, e sob ordem do Juiz, o Figurante empreende um ataque ao cão com movimentos ameaçadores realizados acima da manga, sem, entretanto, bater no cão. A manga permanece junto ao corpo e movimentos adicionais com ela devem ser evitados. O cão deve ser, então, atacado frontalmente pelo figurante, com a devida energia.Tendo firmado a mordida, o cão é posicionado, durante o ataque, lateralmente pelo Figurante, que se movimenta em linha reta, iniciando-se, assim, a fase de Resistência à Pressão. O Figurante deve se locomover na mesma direção com todos os cães. O Juiz se posicionará de modo a poder avaliar, adequadamente, todos os cães, quanto ao desempenho no ataque, o comportamento na fase de Resistência à Pressão, a qualidade da mordida, o largar após a luta e a fase de vigilância. Não é permitido ao Figurante conduzir o cão na direção do Condutor durante o ataque.

As batidas com o bastão devem ser desferidas na região dos ombros e da cernelha. A intensidade das batidas deve ser igual para todos os cães. A primeira batida deve ser desferida após 4 a 5 passos do Figurante e, a segunda, após outros 4 a 5 passos. Após a segunda batida, o Figurante deve continuar o ataque, sem entretando, bater no cão.

 

       Para posicionamento do Figurante, veja ponto 8, a seguir (válido para todos exercícios).

 

5.     Transporte frontal

 

Após comando do Condutor, o Figurante inicia o transporte frontal, em passos normais, por aproximadamente 30 passos. O percurso do transporte é determinado pelo Juiz. O Figurante não deve fazer movimentos bruscos durante o transporte. Tanto o bastão, como a manga, devem ser posicionados de tal modo que não representem estímulo adicional para o cão. Principalmente o bastão, deve ser conduzido de tal modo que o cão não possa vê-lo. O Figurante deve fazer o transporte na mesma velocidade, para todos os cães.

 

6.     Ataque ao cão durante o transporte frontal

 

O ataque, durante o transporte, é realizado pelo Figurante, sob ordem do Juiz. O ataque deve  ser feito pelo Figurante através de uma volta dinâmica, pela direita ou pela esquerda, com um avanço enérgico na direção do cão. O bastão  permanece  acima da manga em movimentos ameaçadores. A manga permanece junto ao corpo e o ataque é realizado, frontalmente, na direção ao cão. Movimentos adicionais com a manga devem ser evitados. Após a mordida, o cão é posicionado lateralmente durante o ataque pelo Figurante, que corre em linha reta, iniciando-se, assim, a fase de Resistência à Pressão. O Figurante deve correr na mesma direção, com todos os cães. O Juiz se posicionará de modo a permitir-lhe avaliar, em todos os cães, o desempenho no ataque, o comportamento na fase de Resistência à Pressão, a qualidade da mordida,  o largar após a luta e a fase de vigilância. Não é permitido conduzir o Cão na direção do Condutor durante o ataque.

 

A duração da fase de Resistência à Pressão do Cão (ataque) é determinada pelo Juiz. Sob ordem do Juiz, o Figurante interrompe o ataque. O ataque deve ser feito com uma dinâmica tal, que permita ao Juiz uma ótima possibilidade de avaliar o desempenho do cão. Não é permitida a ajuda do Figurante, como por ex.: desviar-se exageradamente do ataque antes da mordida, oferecimento da manga antes da mordida, estímulo ao cão com gritos ou ruídos, batidas com o bastão no macacão antes do início do ataque, segurar a manga sem tensão após a mordida durante a fase de Resistência à Pressão, diferentes intensidades de pressão durante a fase de Resistência à Pressão, interrupção do ataque por conta própria do Figurante devido a sensibilidade do cão na fase de Resistência à Pressão, etc. 

 

Para posicionamento do Figurante, veja ponto 8, a seguir (válido para todos exercícios).

 

7.     Ataque  ao cão à distância (graus 1 a 3) – Ataque lançado

 

O Figurante sai do esconderijo, que lhe foi previamente indicado pelo Juiz, e cruza o campo em passos normais (grau 1)  ou correndo (graus 2 e 3) até à linha central imaginária  e:

       Após os passos normais, inicia a movimentação na direção do cão,  atacando-o e ao Condutor, frontalmente, com gritos e movimentos ameaçadores do bastão  (grau1);

       Sem interromper a corrida, ataca o cão e o Condutor, frontalmente, com gritos e movimentos ameaçadores do bastão (graus 2 e 3);

 

O cão deve ser recebido pelo Figurante, com posicionamento elástico da manga, sem que o Figurante pare o movimento. Ao receber o cão, o Figurante deve, se necessário,  fazer um meio giro no intuito de amortecer o impacto devido à velocidade do cão. O cão não pode, em hipótese alguma, ser rodopiado. Após a mordida, o cão é posicionado, lateralmente, pelo Figurante, que se desloca em linha reta, iniciando-se, assim, a fase de Resistência à Pressão. Aqui, deve, de todos os modos, ser evitado o atropelamento do cão. O Figurante deve e deslocar na mesma direção com todos os cães. O Juiz se posicionará de modo a permitir-lhe avaliar, em todos os cães, o desempenho no ataque, o comportamento na fase de Resistência à Pressão, a qualidade da mordida, o largar após a luta e a fase de vigilância. Não é permitido conduzir o cão na direção do Condutor durante o ataque.

 

A duração da fase de Resistência à Pressão do cão (ataque) é determinada pelo Juiz. Sob ordem do Juiz, o Figurante interrompe o ataque. O ataque deve ser feito com uma dinâmica tal que permita ao Juiz uma ótima possibilidade de avaliar o desempenho do cão. Não é permitida ajuda do Figurante, como por ex.:diminuição da velocidade de ataque, recebimento do cão sem movimento de amortecimento (parado), desviar-se exageradamente do ataque antes da mordida, oferecimento da manga antes da mordida, segurar a manga sem tensão após a mordida e durante a fase de Resistência à Pressão, diferentes intensidades de pressão durante a fase de Resistência à Pressão, interrupção do ataque por conta própria do Figurante devido a sensibilidade do cão na fase de Resistência à Pressão, etc. 

 

Para posicionamento do Figurante, veja ponto 8, á seguir (válido para todos exercícios).

 

8.     Posicionamento do Figurante ( em todos os exercícios)

 

O posicionamento do Figurante, em todos os exercícios de ataque, deve ser tal que o Juiz possa ver: a qualidade da mordida, o largar após o ataque e a fase de vigilância do cão (o Figurante não pode posicionar-se de costas para o Juiz, e sim, manter-se em contato visual com ele). Após o término do ataque, a pressão contra o cão deve ser diminuída, assim como a ameaça contra ele deve ser interrompida, sem entretanto, afrouxar a tensão da manga, que não deve ficar inclinada para cima  e sim, na mesma posição do exercício anterior. O bastão não deve ser visível ao cão e deve ser mantido lateralmente e direcionado para baixo. O Figurante não deve dar qualquer tipo de ajuda para motivar o cão a largar. Após o cão largar,  o Figurante continua a olhar para o cão, sem entretanto, ameaçá-lo ou dar qualquer outro tipo de ajuda. Se o cão vigiar o Figurante rodeando a sua volta, o Figurante poderá acompanhar o movimento, vagarosamente, sem movimentos bruscos, no intuito manter o contato visual com o cão.

 

 

 

 

9.     Insegurança e fraqueza do cão

 

O cão que, em um exercício de ataque, não morde, ou na fase de Resistência à Pressão, fraqueja e larga, deve ser reatacado pelo Figurante, até que o Juiz comande a interrupção do ataque. O Figurante não deve, nessa situação, prestar, em hipótese alguma, ajuda ao cão ou interromper o ataque autônomamente. Cães que não largam não podem ser ajudados a largar pelo Figurante, através de determinado posicionamento ou movimento do bastão. Cães que, na fase de vigilância, tendem a abandonar o Figurante, não podem ser motivados para manterse junto a ele. O Figurante deve se comportar ativo ou neutro, em todos os exercícios e nas suas partes individuais, conforme prescrito no regulamento. Se o cão incomodar ou morder o Figurante durante a fase de vigilância,  o Figurante deverá evitar movimentos de defesa.

 

 

PROVA DE CÃO ACOMPANHANTE - CAc

 

COM TESTE DE COMPORTAMENTO E PROVA

DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS DO RESPONSÁVEL PELO CÃO

 

Todas as provas e disputas sujeitam-se ao cumprimento das disposições e princípios esportivos envolvidos.

 

O modo de apresentação e seu julgamento são melhor descritos adiante.

 

As prescrições valem para todos os envolvidos e todos os participantes devem cumprir as mesmas exigências de desempenho, exceção feita à Prova de Cão Acompanhante, onde não se verifica a indiferença ao tiro.

 

Qualificados para julgar a Prova de Cão Acompanhante são, exclusivamente, Juízes de Adestramento ou de Trabalho que façam parte do Quadro de Juízes de entidade membro da AZG.

 

O resultado da prova deve ser lançado no Livreto de Provas do cão.

 

Provas de Cão Acompanhante só são reconhecidas quando realizadas por entidade participante da AZG.

 

Os eventos tem caráter público. Local e horário devem ser comunicados adequadamente aos sócios, só podendo ser realizadas quando constantes do calendário oficial. As entidades são responsáveis pelo cumprimento desta determinação.

 

a)   Disposições Gerais

 

São admitidos todos os responsáveis por cães que comprovem terem participado com aproveitamento da prova de conhecimentos específicos, em analogia ao Regulamento do Certificado de Condutor de Cães do CBKC, realizada em entidade do Sistema SBCPA ou sejam assim qualificados por autoridade competente.

Participantes primários em Prova de Cão Acompanhante, que não possuam comprovante de conhecimento específico, devem, no dia do evento, apresentar–se ao Juíz atuante, para serem  submetidos à prova escrita, antes de participarem da prova prática com o cão.

 

Podem participar cães de todas as raças e tamanhos. A idade mínima é de 15 meses.

 

Para realização de uma Prova de Cão Acompanhante, são necessários, no mínimo, 4 cães. Se a prova for combinada com as de outras categorias, (p.ex.:CT, CF, PLO, PACS), deverá haver, no total, pelo menos 4 cães participantes.

O número de seções a serem julgadas por um Juíz, em um dia, varia de 10 a 15 e depende do número total de seções, que não deve ultrapassar 30. A Prova de Cão Acompanhante, com teste de conhecimentos do Condutor, conta 3 seções. Sem o teste teórico, conta 2 seções.

 

b)    Prova de Índole

 

Antes de iniciar a Prova de Cão Acompanhante, os cães devem ser submetidos a uma prova de índole, da qual fará parte a conferência da identidade pelo número da tatuagem ou do chip. Cães que não possam ser identificados não poderão participar da prova.

A avaliação da índole prossegue por toda a prova. Cães que não são aprovados quanto à sua índole não podem continuar na prova. Se um cão for aprovado na avaliação inicial mas demonstrar uma insuficiência de caráter ao longo da prova, o Juíz poderá eliminá-lo da prova, anotando na súmula, a observação “ não aprovado nos testes de índole / comportamento” .

 

c)    Pontuação

 

Os cães que não atingirem um mínimo de 70% de pontuação na Parte 1, não poderão participar da Prova de Comportamento em Vias Públicas. 

Ao final da prova, não são divulgados resultados baseados em pontos obtidos mas, sim,  é informado o resultado “aprovado” ou “ não aprovado”. Existe aprovação quando, na Parte 1, são alcançados 70% dos pontos possíveis e, na Parte 2, o Juiz considerar o desempenho pelo menos, satisfatório.

A graduação concedida não é válida no sentido do Regulamento de Criação, exposições ou seleção das entidades membros do CBKC.

A repetição da prova não obedece a qualquer prazo de carência.

Todos os resultados de prova, independentemente de aprovação, devem ser lançados no Livreto de Provas.

 

PARTE 1 -  PROVA DE CÃO ACOMPANHANTE EM CAMPO DE TREINO

 

Pontuação máxima : 60 pontos

        ·    Exercício 1: Condução com guia - 15 pontos

                   Comando: “junto”

 

Partindo da posição básica, o cão, com guia e enforcador regulamentar, deve seguir alegremente o seu Condutor, sob o comando "junto". O Condutor deve andar em passo normal e em linha reta por, aproximadamente, 40 a 50 passos, executar uma meia volta pela esquerda e, após andar mais 15 passos, passar para a velocidade "trote" e, em seguida, para o passo "lento".  Estas duas velocidades deverão ser mostradas por, pelo menos, 10 passos cada uma. As mudanças de velocidade deverão ser feitas de uma só vez. A reta é finalizada em passo normal. Ainda em passo normal, deverão ser mostradas 2 conversões à direita e uma outra à esquerda e mais uma meia volta pela esquerda, seguida de parada, conforme traçado determinado pelo juíz.

Somente ao iniciar a marcha e nas mudanças de velocidade, é permitido o comando "junto".

Quando o Condutor parar, o cão deverá se sentar ao seu lado, imediatamente, sem nenhuma outra influência. O Condutor não poderá mudar a posição em que parou, nem se aproximar do cão quando este se sentar afastado.

Durante todo o percurso o cão deverá se manter com o ombro direito à altura do joelho esquerdo do Condutor, sem atrasar, adiantar ou afastar-se lateralmente.

A guia deverá ser levada, durante todo o exercício, na mão esquerda do Condutor e frouxa. O enforcador deverá estar travado.

Por indicação do Juiz, o exercício é finalizado com a condução do cão, em passo normal e nas mesmas condições da condução anterior, por um grupo de, pelo menos quatro pessoas, com um percurso semelhante a um "Oito". As pessoas deverão estar em constante  movimento.

Atrasar, adiantar, desviar para os lados ou demora do Condutor nas mudanças de direção, constituem faltas.

A meia volta pode ser feita de 2 maneiras: com o cão contornando o Condutor ou com o cão mantendo–se a esquerda do Condutor.

 

       Exercício 2 - Condução sem guia - 15 pontos.

                     Comando: “junto”.

 

Por indicação do Juiz, o Condutor, na posição básica, retira a guia do cão, colocando-a no ombro ou no bolso, sempre no lado oposto ao cão e dirige-se, novamente e de imediato, ao grupo de pessoas, analogamente ao exercício anterior, devendo executar, no mínimo, uma parada.       Após abandonar o grupo, retorna à posição inicial, tomando a posição básica e inicia a condução        sem guia de forma análoga ao exercício 1.

 

       Exercício 3 – Sentar durante a marcha – 10 pontos.                            Comandos: “junto” e “senta”.

 

      A partir da posição básica, o Condutor segue em frente,  com o seu cão sem guia, em passo           normal  e em linha reta.

Após 10 a 15 passos, o cão deve, ao comando “senta”, sentar rápida e alinhadamente , sem que   o Condutor interrompa suas passadas ou olhe para trás. Após, no mínimo mais 30 passos, o Condutor para e  volta-se, imediatamente, para o cão.

Por ordem do Juiz, o Condutor retorna ao cão e toma a posição básica ao lado direito deste. Se o cão, ao invés de sentar, deitar ou ficar parado, serão descontados 5 pontos.

 

       Exercício 4 – Deitar durante a marcha -10 pontos.

                      Comandos: “junto”, “deita”, “aqui” ou nome do cão, “junto”.

 

A partir da posição básica inicial, o Condutor segue em frente, com o seu cão sem guia e, com o comando “junto”, em passo normal e em linha reta. Após 10 a 15 passos, o cão deverá, ao comando “deita”, deitar rápida e alinhadamente, sem  que o Condutor interrompa suas passadas ou olhe para trás. Após, no mínimo, mais 30 passos, o Condutor para e volta-se, imediatamente, para o cão e   permanece parado . Por ordem do Juiz, o Condutor chama seu cão com o  comando “aqui” ou com o nome do cão.

 

O cão deverá dirigir-se alegre e rapidamente, direto para o Condutor e sentar-se rente e alinhado em frente a ele. Ao comando “junto”, o cão deverá, rapidamente  assumir a posição básica.       Se o cão, ao invés de deitar , sentar ou ficar parado, serão descontados 5 pontos

 

       Exercício 5 – Deitar sob distração – 10 pontos.

                     Comandos: “deita” e “senta”.

 

Ao início do trabalho de obediência de outro cão, o Condutor, em local designado pelo Juiz e a partir da posição básica, comanda o cão para a posição deitado, sem deixar a guia ou qualquer outro objeto.

O Condutor se afasta por 30 passos e para, permanecendo de costas voltadas para o cão.

O cão deverá permanecer deitado, tranquilamente.

Por determinação do Juíz, o Condutor retorna ao cão quando o outro cão tiver terminado o seu exercício 4, postando-se à direita  de seu cão e, com o comando “junto”, coloca-o na posição básica .

Se o cão sentar, ficar de pé ou deitado inquieto, a avaliação será parcial.

Um cão que se levanta, senta ou se arrasta por uma distância maior do que o comprimento se seu corpo, não terá cumprido o exercício.

Comportamento inquieto do Condutor, bem como ajudas furtivas, são penalizadas. Cadelas, na medida do possível, devem ser postas na distração, em local distinto.

 

 O cão que não alcançar, nos exercícios 1 a 5, no mínimo 70% dos pontos possíveis (42 pontos) é eliminado do restante da prova.

 

 

 

PARTE 2  -  VIAS PÚBLICAS

 

a)    Generalidades

 

A execução da Parte 2 serve para verificar o comportamento social do cão em relação a pessoas e animais, bem como, a sua auto-confiança em relação ao ambiente. A avaliação é feita sob a influência de situações cotidianas, não podendo, portanto, em nenhuma hipótese, ser feita em área de clubes ou de treino. Deve ser realizada em ambientes determinados, com elevado nível de trânsito. O Juiz de Adestramento determina, em conjunto com o Diretor de Prova, como e onde os exercícios devem ser executados em vias públicas (ruas, avenidas ou praças).

 

A avaliação da Parte 2 deve ser feita com a demanda de tempo  necessária a sua execução. As exigências regulamentares não deverão ser afetadas pela aceitação e avaliação superficial de um número excessivo de cães. Os cães em avaliação deverão ser apresentados um a um e testados individualmente.

 

Não serão atribuídos pontos para cada um dos exercícios da Parte 2.  A impressão geral quanto ao comportamento do cão diante de ambiente público /  trânsito definirá a sua aprovação ou reprovação. Exercícios individuais excelentes não poderão compensar exercícios insuficientes.

 

Os exercícios a seguir descritos são orientativos e poderão ser adequados ao local pelo Juiz de Adestramento, que tem o direito de determinar a repetição de um exercício, em caso de dúvida quanto ao desempenho de um cão, podendo fazer variações.

 

b)    Desenvolvimento

 

        ·    Encontro com um grupo de pessoas

 

Por indicação do Juiz de Adestramento, o Condutor segue, com o seu cão na guia, por uma via de trânsito elevado. Por orientação do Juiz, poderá ser feita uma travessia da via com utilização da faixa de pedestres ou semáforo. O Juiz seguirá a dupla a uma distância adequada.

O cão deverá ser conduzido a esquerda do Condutor, com a guia frouxa e com o ombro a altura do  seu  joelho, acompanhando-o voluntariamente.

O cão deverá se mostrar indiferente aos pedestres e veículos.

No seu trajeto, o cão deverá ter um passante (previamente convocado) atravessando a sua frente correndo. O cão deverá se manter neutro e não impressionado.

Condutor e cão seguem passando no meio de um grupo de, pelo menos, 6 (seis) pessoas,      previamente convocadas; das quais, uma se dirige ao Condutor, cumprimentando-o com um aperto de mão.O cão deverá atender o comando de sentar ou deitar ao seu lado, mantendo-se calmo durante o rápido diálogo.

 

        ·    Encontro com ciclistas

 

O Condutor segue, com o seu cão na guia, por uma via e é ultrapassado por um ciclista (previamente convocado) que, ao passar, aciona a campainha da bicicleta. A uma distância razoável, o ciclista faz meia volta e retorna, vindo de frente  para o Condutor e o cão. Mais uma vez é acionada a campainha. A passagem deve ser feita de modo que o cão fique entre o ciclista e o Condutor. Deverá se manter indiferente.

 

Encontro com automóveis

 

O Condutor passa com o seu cão por diversos automóveis estacionados. Um destes veículos tem a partida acionada repentinamente. Em outro veículo, uma porta é fechada, algo ruidosamente.

Enquanto Condutor e cão seguem, um automóvel para ao lado deles, uma janela é aberta e um ocupante solicita uma informação ao Condutor. O cão, por comando do Condutor, deverá permanecer sentado ou deitado ao seu lado.

Em todas as situações, o cão deve permanecer calmo e indiferente.

 

        ·    Encontro com corredores e ¨skatistas¨

 

O Condutor segue, com seu cão na guia, por uma via tranquila. Pelo menos dois corredores os  ultrapassam sem reduzir a velocidade. Ao terem se afastado, outros corredores vem ao encontro da dupla passando por ela sem reduzir a velocidade. O cão não deverá, necessariamente, se manter corretamente no “junto” durante estas passagens, mas, não poderá incomodar os corredores. É permitido ao Condutor comandar o seu cão para a posição “sentado” ou “ deitado” durante este encontro.Os corredores também poderão ser substituídos por “ skatistas”.

 

       Encontro com outros cães.

 

Ao ser ultrapassado ou cruzar com outro cão, conduzido com guia (previamente convocado), o cão em avaliação deverá se manter neutro. O Condutor poderá usar o comando “junto” repetidamente ou comandar o seu cão para a posição “sentado” ou “ deitado” durante o encontro.

 

       Comportamento do cão brevemente deixado só, amarrado em via pública, diante de animais.

 

Por determinação do Juiz de Adestramento, o Condutor segue, com o seu cão na guia, pelo passeio de uma via moderadamente movimentada.

Após um pequeno percurso, o Condutor, por determinação do Juiz, para e prende a guia em uma cerca, muro ou similar. O Condutor se afasta das vistas do cão que poderá se manter de pé , sentado ou deitado.

Durante a ausência do Condutor, uma pessoa (previamente convocada) passa, com o seu cão na guia, a um afastamento lateral de, aproximadamente, 5 (cinco) passos do cão em avaliação. Este, durante a ausência do seu  Condutor, deverá se manter calmo, ignorando o  cão passante (não utilizar cão briguento), sem demonstrar agressividade. Por determinação do Juiz de Adestramento, o cão é retirado.

 

       Observação

Fica a critério do Juiz de Adestramento realizar os exercícios individuais com cada cão, em locais diferentes  ou fazer sequências de exercícios, conforme as condições do local.

 

PROVA DE VERSATILIDADE PARA CÃES DE TRABALHO – NÍVEL A

 

Cão de Trabalho Grau A (CT A)

 

Pontuação máxima:   200 pontos

 

A  prova de CT A consiste das seções B e C da prova de CT 1. O trabalho de faro não existe nessa prova.

 

 

 

Pontuação máxima

 

 

Excelente

 

Muito Bom

 

Bom

 

Suficiente

 

Insuficiente

 

200 ptos

 

 

191 - 200

 

180 - 190

 

160 - 159

 

140 - 159

 

0 - 139

 

 

 

 

PROVA DE FARO NIVEIS 1 A 3

 

Prova de faro  1 – 3 (PF 1 – 3)

 

As provas de faro consistem, somente, da seção A das de CT 1 – 3. Elas podem ser realizadas como complemento do número de participantes de um evento quando, pelo menos, 4 (quatro) participantes se apresentarem para provas nas categorias CAc / CT / IPO / CF.

 

 

 

Pontuação máxima

 

 

Excelente

 

Muito Bom

 

Bom

 

Suficiente

 

Insuficiente

 

100 pontos

 

 

96 -  100

 

90 -  95

 

80 - 89

 

70 - 79

 

0 – 69

 

 

 

a)   Traçados de Pista  

 

       Poderão também ser feitos  ao inverso.

Exemplos:

 

 

 

      Niveis 1 e 2    -    Formas

 

 

 

 

Nível 3   - Formas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PROVA DE VERSATILIDADE PARA CÃES DE TRABALHO – NIVEL 1

 

 

Cão de Trabalho Grau 1 ( CT 1 )


 

 

Divide-se em

 

 

 

Seção A                         100 pontos

             

 

 

 

Seção B                         100 pontos

             

 

 

 

Seção C                         100 pontos

             

 

 

 

Total                              300 pontos

 

1.    CT 1 -  Seção “ A “ - Faro

 

Pista colocada pelo próprio Condutor, com um mínimo de 300 passos, dois ângulos de, aproximadamente,  90º, dois objetos do Condutor, com tempo de espera de, no mínimo, 20 minutos, tempo de trabalho, máximo, de 15 minutos.

 

         Seguimento da pista                                                                 80 pontos

         Objetos ( 10 + 10 )                                                                    20 pontos

         Total                                                                                        100 pontos

Generalidades

 

O Juiz ou o marcador de pista determina, em função das condições do terreno, o percurso da pista. As pistas devem ser diferenciadas entre si. Não pode acontecer, por ex., que os ângulos e objetos, em pistas diferentes, encontrem-se na mesma distância um do outro. O ponto de partida deve ser bem identificado com uma estaca fixada ao solo, imediatamente à esquerda do início da pista. A seqüência de entrada dos Condutores será sorteada pelo Juiz, antes da colocação das pistas.

 

 

 

 

 

 

 

1.1 Desenvolvimento

 

 

O Condutor (no caso, marcador da pista ) deve mostrar os objetos ao Juiz, antes de sua colocação. Devem ser usados, somente, objetos bem odorizados pelo marcador (no mínimo 30 minutos). O marcador permanece algum tempo no ponto inicial e percorre, em seguida, em passo normal, o caminho indicado pelo Juiz. Os ângulos são feitos, também, em passos normais e o primeiro objeto é colocado na pista após, no mínimo, 100 passos, na primeira ou na segunda reta. O segundo objeto é colocado no final da pista. Os objetos devem ser largados na pista sem que o Condutor modifique seu ritmo de andar. Após a colocação do último objeto, o marcador deve continuar a andar em linha reta mais alguns passos. Na mesma pista devem ser utilizados objetos diferentes. Material: por ex. couro, tecidos, madeira. Os objetos devem guardar as seguintes dimensões: Comprimento aprox. 10 cm , Largura  2 a 3 cm, Espessura  0,5 a 1 cm. Não devem diferenciarse,em muito, da cor do solo. Durante a marcação da pista, o cão deve ficar afastado.

O Juiz e seu acompanhante não devem permanecer nas imediações em que a dupla (cão e Condutor) trabalhará. 

 

a) Comando

 

Um comando para  procurar:         “ procura “ 

 

O comando “procura “ é permitido no início da pista e após o primeiro objeto.

 

 

b)    Execução da prova

 

O Condutor prepara seu cão para a prova. O cão pode procurar com uma guia de 10 m ou sem guia , a critério do Condutor. A guia de 10 m pode ser colocada sobre o dorso do cão, lateralmente ou por entre as pernas dianteiras e traseiras do cão. É permitido o uso tanto da coleira normal como do peitoral. Após a chamada, o Condutor apresenta-se  ao Juiz na posição básica e informa se o cão indica ou apanha os objetos. Antes do início, na colocação na pista e durante a procura não é permitido qualquer pressão sobre o cão. Sob comando do Juiz, o cão é colocado lenta e calmamente no inicio da pista. O cão deverá, no início, assimilar o odor intensamente, com calma e com nariz rente ao solo. Após isto, deverá começar a procurar com intensidade, nariz baixo e com a mesma velocidade no decorrer de toda pista. O Condutor segue seu cão a uma distância de 10 m. Na procura sem guia, os 10 m devem, também, ser mantidos. A guia pode, caso o Condutor não a largue, ficar pendurada e frouxa durante o percurso da pista. O cão deverá fazer os ângulos com convicção. Após os ângulos, o cão deverá manter a mesma velocidade anterior. Após encontrar os objetos, o cão deverá indicá-los ou apanhá-los com convicção, sem qualquer ajuda do Condutor. Se apanhar os objetos,  poderá ficar parado, sentar-se ou dirigir-se ao Condutor. Prosseguir na  pista carregando o objeto ou apanhá-lo na posição deitado deverá ser penalizado. Indicando, poderá fazê-lo parado, sentado ou deitado, mesmo alternando. Após a identificação do objeto pelo cão, o Condutor deixa cair a guia e aproxima-se do cão. O Condutor levanta o objeto, mostrando-o  ao Juiz. A seguir, o Condutor retoma  a guia e prossegue na procura. Após o término da pista, os objetos são mostrados ao Juiz.

 

b) Avaliação

 

Se após  três tentativas de saída para procura, a dupla condutor – cão não obtiver sucesso, a Seção deve ser encerrada. Uma nova saída não é permitida. Entende-se como nova saída quando o Condutor segura o cão pela coleira ou pela guia curta e comandando-o para procurar.

A velocidade da procura não é critério para avaliação se o cão procurar com convicção, intensivamente e com velocidade uniforme e mostrar um comportamento positivo durante a procura. O cão certificar-se da exatidão da pista, sem, entretanto, sair da mesma, não é penalizável. Nariz alto, fazer as necessidades (urinar ou defecar), rodeios nos ângulos, estímulos constantes, ajudas verbais ou com a guia no decorrer da pista ou ajudas nos objetos, indicação errônea de objetos, deve ser penalizado correspondentemente. Se o Condutor se afastar da pista  por mais de 10 m, a seção será interrompida pelo Juiz. Se o cão começar a afastar-se da pista e for impedido pelo Condutor, o Juiz ordenará para o Condutor seguir o cão. Se o Condutor não cumprir esta ordem, o Juiz encerrará a prova. Se o cão seguir uma caça, o Condutor poderá dar o comando para deitar. Se o cão retornar para a pista, será penalizado em até 8 pontos. Se não retornar, será desqualificado.

Se a prova não terminar após 15 minutos de seu início, a seção será interrompida pelo Juiz. A pontuação até ali obtida será computada.

Na mesma pista, o cão deverá identificar os objetos ou indicando ou apanhando; fazer  ambos é penalizável. Serão considerados, somente, os objetos mostrados ao Juiz no início da prova. Indicação errônea de objetos deverá ser, também, penalizada

Para objetos não achados ( indicados ou apanhados ), os pontos correspondentes serão descontados.

 

A distribuição dos pontos nas retas de uma pista deve considerar o comprimento e o gráu de dificuldade das mesmas. A avaliação das retas é feita por qualificação e pontos. Se o cão permanecer parado no mesmo lugar da pista, sem procurar, o Juiz poderá encerrar a prova.

 

 

 

2.  CT A / CT 1        Seção B - Obediência

 

Exercício 1 :

Condução sem guia                                             20 pontos

Exercício 2 :

Sentar durante a marcha                                      10 pontos

Exercício 3 :

Deitar durante a marcha com  aproximação 10 pontos

Exercício 4 :

Buscar halter no plano                                         10 pontos

Exercício 5

Buscar halter com obstáculo  de 1 m                   15 pontos

Exercício 6 :

Buscar halter com plano inclinado                        15 pontos

Exercício 7 :

Mandar em frente com deitar                               10 pontos

Exercício 8 :

 

Deitar sob distração                                            10 pontos

Total      

                                                                         100 pontos

 

 

Generalidades:

 

O Juiz autoriza o início dos exercícios. Todo  o restante, como conversões, parar, mudança de velocidades etc... , deve ser feito sem ordem do Juiz.

 

Os comandos estão prescritos no regulamento e devem ser dados em tom normal, curto  e ser constituídos de uma palavra somente. Podem ser dados em outro idioma, mas, para uma mesma ação, devem ser iguais. Se o cão não executar um exercício, ou uma parte dele após 3 comandos, esse exercício não será pontuado. Ao chamar o cão, poderá ser dado o comando para ele aproximar-se ou usar o nome do cão alternativamente. Dar o comando para aproximar-se em conjunto com a chamada do cão pelo nome, entretanto, será considerado comando duplo.

 

O cão estará na posição básica quando estiver sentado corretamente no lado esquerdo do Condutor, com seu ombro à altura do joelho esquerdo do Condutor. Todo exercício inicia e termina com o cão na posição básica. A tomada da posição básica, no início dos exercícios, só é permitida uma vez. Um agrado rápido só é permitido após o término do exercício e, somente, com o cão na posição básica. Após isto, o Condutor poderá tomar uma nova posição básica. Em todos os casos, deve haver um intervalo de tempo de, aproximadamente, 3 segundos entre o agrado e o início do novo exercício.

 

Da posição básica, o Condutor inicia o desenvolvimento dos exercícios. Na fase de desenvolvimento do exercício, o Condutor deve dar, no mínimo  10 passos e, no máximo, 15, antes de dar o comando do exercício correspondente ( sentar, deitar , etc... ). Entre as ações parciais, dentro de um exercício (por ex. cão aproxima-se e senta em frente do Condutor , Condutor aproxima-se do cão em distração, cão aproxima-se com objeto e senta-se em frente ao Condutor, etc...) o Condutor deverá aguardar, sempre, no mínimo 3 segundos antes de dar comando adicional para posição básica, sentar ou deitar (quando o leva para distração , por ex.). Ao aproximar-se do cão, o Condutor poderá fazê-lo pela frente ou contornando-o  por trás.

 

O cão deve ser mantido junto ao Condutor em toda prova, também entre os exercícios. O cão deve ser conduzido na condição “junto” também quando o Condutor  for apanhar o halter antes do exercício e quando for devolvê-lo ao cavalete. Agrados nessas fases intermediárias não são permitidos.

 

As meias voltas devem ser realizadas pelo Condutor pela esquerda. O cão pode voltar ou por trás ou pela frente do Condutor, sendo, entretanto, penalizável se ele  alternar, executando uma vez por trás e outra pela frente.

 

Após sentar-se em frente ao Condutor, o cão deverá ser comandado para  ir para  a posição básica, com o comando “junto”, fazendo-o contornando por trás ou pela frente do Condutor.

 

O obstáculo ( barreira ) deve ter a parte superior rígida e não mais cedente . Deve ter altura de 1 m e uma largura de 1,5 m. O plano inclinado deve ter uma largura de 1,5 m e o comprimento das paredes de 1,91 m. As paredes devem ser afastadas na base de tal modo que a altura vertical do plano seja de 1,8 m. A superfície das paredes do plano inclinado deve ter um revestimento tal  que não a deixe escorregadia. A parte superior das paredes deve ser provida, nos dois lados, com três ripas de 24x48 mm ao longo da largura para facilitar a escalada do cão. Todos os cães participantes de uma prova devem utilizar o mesmo obstáculo.

Nos exercícios de busca, deve-se utilizar somente halteres de madeira. Somente os halteres disponibilizados pela organização da prova poderão ser usados. Nos exercícios de busca, o halter não poderá ser colocado, antes, na boca do cão.

Caso o Condutor esqueça de executar um exercício, o Juiz solicitará a execução do mesmo , sem  penalizá-lo.

 

 

 

                                                                                                                         

Plano Inclinado                                                                              Barreira

 

                                                                                                    

 

 

         2.1-   Condução sem guia                                20 pontos 

 

a)      Comando:                  “Junto”

O comando “ junto” só poderá ser dado no início do exercício e nas mudanças de velocidade.

 

b)   Execução 

 

O Condutor aproxima-se do Juiz com seu cão  sem guia e apresenta-se ao mesmo. O Condutor sai, do ponto inicial indicado, a partir da posição básica, dando o comando  “junto”  e o cão deverá seguir alegre, atento e correto, com seu ombro direito sempre próximo ao joelho esquerdo do Condutor. Quando o Condutor parar, o cão deverá sentar-se rápida e corretamente, sem comando. Inicialmente, o Condutor anda 50 passos em linha reta, sem parar, e faz uma  meia volta. Durante os 50 passos iniciais, são dados dois tiros ( calibre 6 mm ) em intervalo de 5 segundos e a uma distância de 15 passos do cão. O cão deverá demonstrar-se indiferente aos tiros. Após 10 a 15 passos, o Condutor  muda  para o passo trote e após outros 10 a 15 passos muda para  passos lentos. Após outros 10 a 15 passos, retorna aos passos normais. A passagem de passos rápidos para lentos deve ser feita de imediato, sem fase intermediária. As velocidades dos passos normais, trote e lentos devem ser claramente diferenciadas. Em passo normal, deve ser executada, no mínimo, uma conversão a direita, uma a esquerda e uma  meia volta. Em passo normal, deve haver, pelo menos, uma parada. Ao final, cão e Condutor dirigem-se, ao comando do Juiz, a um grupo de, no mínimo, 4 pessoas, que devem permanecer se movimentando. O Condutor deve passar pela esquerda e pela direita de uma pessoa e parar no meio do grupo pelo menos uma vez. O Juiz tem o direito de solicitar uma repetição deste exercício. Após  passar pelo grupo, o Condutor se dirige para a posição básica inicial para o próximo exercício.

 

c)  Avaliação

 

Adiantar, afastar lateralmente, atrasar, vacilar ou sentar devagar, comandos adicionais, ajudas corporais, falta de atenção ou timidez do cão em todo desenvolvimento, devem ser penalizados correspondentemente.

 

          2.2  Sentar durante a marcha                                       10 pontos

 

a)     Comandos        

     Um para acompanhar e um para sentar      “junto” e “ senta”  

 

b)    Execução

 

O Condutor sai da posição básica,  com seu cão sem guia, e após 10 a 15 passos,  dá o comando “ senta “ sem mudar de ritmo ou virar-se para o cão. O cão deverá sentar rápida e corretamente. Após mais  30 passos, o Condutor para e vira-se imediatamente para seu cão. Sob comando do Juiz, o Condutor aproxima-se do seu cão,  colocando-se ao seu lado direito.

 

 c)  Avaliação  

 

Erros no desenvolvimento, sentar devagar, sentar inquieto ou ficar desatento, ajudas do Condutor, devem ser penalizados correspondentemente. Se o cão não sentar ( ficar parado ou deitar ) devem ser descontados 5 pontos.

 

 

 

 

 

 

 

 

           2.3    Deitar durante a marcha com aproximação                     10 pontos

 

a)      Comandos

Um para  acompanhar, um para deitar, um para aproximar e um para posição básica    “Junto” ” Deita “  “ Aqui”  ( ou nome do cão ) e “Junto”

 

b)     Execução

 

O Condutor sai da posição básica, com seu cão sem guia, e, após 10 a 15 passos,  dá o comando “ deita “ sem mudar de ritmo ou virar-se para o cão. O cão deverá deitar rápido e corretamente. Após 30 passos, o Condutor para e vira-se imediatamente para seu cão. Sob comando do Juiz, o Condutor chama o seu cão pelo nome ou com o comando “Aqui “. O cão deverá aproximar-se alegre, rápido e direto para o Condutor e sentar-se corretamente bem rente em frente a este. Após o comando “Junto”, o cão deverá colocar-se na posição básica rápida e corretamente.

 

c)   Avaliação

 

Erros no desenvolvimento, deitar devagar, ficar deitado inquieto, aproximar-se devagar, posicionamento errôneo do Condutor, ajudas do Condutor, devem ser penalizados correspondentemente. Se  o cão não deitar (ficar parado ou sentar), devem ser descontados 5 pontos.

 

2.4    Buscar Halter em Terreno Plano                            10 pontos

 

 

a)       Comandos

          Um para buscar, um para largar e um para posição básica           “Busca”   “ Larga” “ Junto”

 

b)       Execução

 

O Condutor arremessa o halter ( 650 gramas ), da posição básica, a uma distância de aproximadamente, 10 passos. O comando “busca” só poderá ser dado após o objeto estar em repouso. O cão permanece parado na posição básica. Após o comando para buscar, deverá se deslocar rápido e direto para o halter, apanhá-lo e trazê-lo rápida e diretamente para o Condutor, sentando-se em frente e bem próximo dele. O cão deverá ficar segurando o halter tranqüilamente até o Condutor, após um intervalo de, aproximadamente, 3 segundos, dar o comando para largá-lo. Após a entrega do halter, o Condutor deve segurá-lo com a mão direita, sem movimentá-lo, e com o braço correspondente apontado para baixo. Após o comando para ir para a  posição básica, o cão deverá, rapidamente, posicionar-se, à esquerda do seu Condutor, com seu ombro direito bem próximo ao joelho esquerdo deste. O Condutor não poderá, durante todo o exercício, sair da sua posição inicial. 

 

c)   Avaliação

 

Devem ser penalizados correspondentemente: erros na posição básica, executar o exercício devagar na ida ou na volta, erros ao apanhar o halter, deixar cair, brincar ou  ficar mordiscando o halter, posicionamento incorreto do Condutor, sentar errôneamente ou vagarosamente após trazer o halter, ir para a posição básica devagar ou incorretamente, atirar o halter a distâncias muito curtas, ajudas do Condutor mesmo sem sair de sua posição básica. Se o Condutor deixar sua posição antes do término do exercício, este será pontuado como insuficiente (0 a 6,5 pontos). Se o cão não touxer o halter, o exercício será pontuado com Zero ( 0 ) ponto.

 

 

 

          2.5    Buscar halter com obstáculo de 1 m                   15 pontos

 

a)     Comandos

Um para saltar, um para buscar, um para largar, um para posição básica    “Pula”   “Busca”  “Larga”   “Junto”

 

b)    Execução

 

O Condutor coloca-se, com seu cão, na posição básica, com o halter de 650 gramas, a uma distância de, no mínimo,  5 passos do obstáculo e atira-o para lado  oposto deste. O cão permanece parado na posição básica. O comando para saltar só poderá ser dado após o halter estar em repouso. Após o comando para saltar, o cão deverá deslocar-se  rapidamente, saltar o obstáculo , apanhar o halter, saltar novamente o obstáculo e trazer o halter rápido e diretamente para o Condutor, sentando-se em frente e bem próximo dele ( o comando “busca” só deve ser dado quando  o cão estiver transpondo o obstáculo  O cão deverá ficar segurando o halter tranqüilamente até o Condutor, após um intervalo de, aproximadamente, 3 segundos, dar o comando para largá-lo. Após a entrega do halter, o Condutor deve segurá-lo com a mão direita, sem movimentá-lo, e com o braço correspondente apontado para baixo. Após o comando para ir para a  posição básica, o cão deverá, rapidamente, posicionar-se a esquerda do seu Condutor, com seu ombro direito bem próximo ao joelho esquerdo dele. O Condutor não pode, durante todo o exercício, sair da sua posição inicial . 

 

c)  Avaliação

 

Deve ser penalizado correspondentemente: erros na posição básica, executar o exercício lentamente na ida ou na volta, erros ao apanhar o halter, deixar cair, brincar ou  ficar mordiscando o objeto, posicionamento incorreto do Condutor, sentar errôneamente ou vagarosamente após trazer o halter, ir para a posição básica devagar ou incorretamente. Se o cão tocar o obstáculo, deverá ser penalizado em  1 ponto por salto. Se se apoiar, a penalização deverá ser de até 2 pontos por salto.

 

Distribuição de pontos no exercício

 

Salto de ida

Trazer

Salto de volta

5 pontos

5 pontos

5 pontos

 

Uma avaliação parcial só é possível quando, pelo menos, duas das três ações forem executadas (salto de  ida , trazer, salto de volta ).

 

       Realizar todo exercício sem erros                                 15 pontos ·       Salto de ida ou de volta não realizado                         10 pontos        mas trazendo halter corretamente

       Saltos de ida e volta realizados, mas não   10 pontos       trazendo  halter

 

Se o halter, ao ser lançado , ficar muito mal posicionado ou pouco visível pelo cão, o Juiz poderá autorizar ( sem penalização ) novo lançamento, se assim solicitado pelo Condutor. O cão deverá permanecer sentado enquanto o Condutor for buscar o halter para relançamento.

 

Ajudas do Condutor, sem mudança da posição básica, devem ser penalizadas correspondentemente. Se o Condutor deixar a posição básica antes do término do exercício, será penalizado com a qualificação insuficiente ( 0 a 10 pontos ).

            2.6    Buscar halter com plano inclinado ( 1,8 m ) ( rampa )                             15 pontos

 

a)     Comandos

    Um para saltar, um para buscar, um para largar, um para posição básica.    “ Pula”  “Busca”         “ Larga”  “ Junto” 

 

b)    Execução

 

O Condutor coloca-se,  com  seu  cão  na  posição  básica,  com  o  halter  de  650  gramas,  a uma         distância de, no mínimo,  5 passos do plano inclinado e atira-o para o lado oposto da rampa. O  cão deverá permanecer parado na posição básica. O comando para saltar só poderá ser dado após o halter estar em repouso. Após o comando para saltar, o cão deve se deslocar rapidamente, escalar e descer o plano inclinado , apanhar o halter e trazê-lo, escalando e descendo a rampa novamente, rápido e diretamente para o Condutor, sentando-se em frente e bem próximo dele ( o comando “busca” só deve ser dado quando  o cão estiver completando a transposição da rampa) O cão deverá ficar segurando o halter tranqüilamente até o Condutor, após um intervalo de, aprox.imadamente, 3 segundos, dar o comando para largá-lo. Após a entrega do halter, o Condutor deve segurá-lo com a mão direita, sem movimentá-lo, e com o braço correspondente apontado para baixo. Após o comando para ir para a posição básica, o cão  deverá, rapidamente, posicionarse, a esquerda do seu Condutor,  com seu ombro direito bem próximo ao joelho esquerdo dele. O Condutor não pode, durante todo o exercício,  sair da sua posição inicial . 

 

c)    Avaliação

Deve ser penalizado correspondentemente: erros na posição básica, executar o exercício lentamente na ida ou na volta, erros ao apanhar o halter, deixar cair , brincar ou  ficar mordiscandoo, posicionamento incorreto do Condutor,  sentar incorretamente ou vagarosamente após trazer o halter, ir para a posição básica devagar ou incorretamente.

 

Distribuição de pontos no exercício

 

 

Salto de ida

Trazer halter

Salto de volta

5 pontos

5 pontos

5 pontos

 

Uma avaliação parcial só será possível quando pelo menos duas das três ações forem executadas (salto de  ida , trazer, salto de volta ).

 

       Realizar todo exercício sem erros                                 15 pontos

       Salto de ida ou de volta não realizado                         10 pontos         mas trazendo halter corretamente

       Saltos de ida e volta realizados, mas não                                 10 pontos        trazendo halter

 

Se o halter, ao ser lançado, ficar muito mal posicionado ou pouco visível pelo cão, o Juiz poderá autorizar ( sem penalização ) novo lançamento, se assim solicitado pelo Condutor. O cão deverá permanecer sentado enquanto o Condutor for buscar o halter para relançamento

Ajudas do Condutor, sem mudança da posição básica, devem ser penalizadas correspondentemente. Se o Condutor deixar a posição básica, antes do término do exercício, será penalizado com a qualificação insuficiente ( 0 a 10 pontos ).

 

 

          2.7      Mandar em frente com deitar                 10 pontos

 

a)           Comandos

            Um para acompanhar, um para avançar em frente, um para deitar, um para a posição              básica              “Junto”  “ Em frente”   “Deita”   “Junto”

 

b)          Execução

 

O Condutor sai com seu cão da posição básica, em passos normais,  na direção indicada pelo Juiz. Após 10 a 15 passos, dá o comando para o cão ir em frente, e, erguendo o braço, aponta a direção a ser seguida pelo cão, parando imediatamente. O braço só deve ser levantado uma vez. O cão deverá correr na direção indicada, em linha reta, pelo menos 30 passos. Sob ordem do Juiz, o Condutor dá o comando para o cão deitar. O cão deverá deitar imediatamente. O Condutor poderá ficar com o braço esticado na direção do cão até ele deitar-se. Sob comando do Juiz, o Condutor aproxima-se do cão colocando-se ao seu lado direito. Após espera de, aproximadamente, 3 segundos  e, sob comando do Condutor ( que recebe ordem do Juiz ), o cão deverá sentar-se rápida e corretamente, ficando na posição básica.

 

c)   Avaliação

 

Deve ser penalizado correspondentemente: erros no desenvolvimento, falhas durante o desenvolvimento dos 10 a 15 passos, desvio exagerado da direção indicada, distância curta           ( menos de 30 passos ), vacilação ou demora para deitar, deitar antecipadamente ao comando, ficar irrequieto quando deitado, levantar-se antecipadamente ao comando. 

 

         2.8    Ficar Deitado sob distração                                10 pontos

 

a)     Comandos

                Um para posição básica, um para deitar, um para sentar        “Junto”   “Deita”   “  Senta”

 

b)    Execução

 

Quando do início da seção B de um outro cão, o Condutor conduz seu cão para o lugar indicado pelo Juiz, para no local  e, da posição básica,  coloca-o deitado, sob distração, sem deixar qualquer objeto junto ao cão.  Após isto, afasta-se de seu cão, sem olhá-lo, no mínimo 30 passos, para o local indicado pelo Juiz , ficando parado  de costas para ele. Sua posição deverá ser tal que o cão possa vê-lo durante a execução dos exercícios pelo outro cão. O cão deverá permanecer tranqüilo, sem influência do Condutor, enquanto o outro cão executa os exercícios de 1 a 6. Sob ordem do Juiz, o Condutor dirige-se ao seu cão, posicionando-se ao seu lado direito. Após espera de, aproximadamente, 3 segundos  e, sob comando do Condutor ( que recebe ordem do Juiz ), o cão deverá sentar-se rápida e corretamente, ficando na posição básica.

 

c)     Avaliação

 

Comportamento irrequieto do Condutor, como também outros tipos de ajuda ao cão, comportamento irrequieto do cão, levantar-se antecipadamente ao comando, deve ser penalizado correspondentemente. Se o cão se levantar ou sentar, ficando, entretanto, no lugar da distração, deverá ter uma penalização parcial. Afastando-se do local da distração, antes do término do exercício 3 do outro cão, por mais de 3  metros, deverá ser penalizado com pontuação Zero ( 0 ). Deixando a posição da distração após o outro cão terminar o exercício 3, deverá ser penalizado parcialmente. Caso o cão se aproxime do Condutor, quando este se dirigir para ele para apanhá-lo, deverá ser penalizado em até 3 pontos.

3.   CT A /CT 1  Seção  “ C “ Exercícios  de Proteção

 

Exercício 1:

Revistar esconderijos                                           5 pontos

Exercício 2:

Vigiar e latir                                                         10 pontos

Exercício 3:

Impedimento de fuga do Figurante                       20 pontos

Exercício 4:

Defesa ante  um ataque na vigilância                   35 pontos

Exercício 5:

Ataque ao cão a distância                                    30 pontos

Total: 

                                                                         100 pontos

 

Generalidades

 

Em campo apropriado, são colocados 6 esconderijos, 3 em cada lado, defasados ( veja desenho). As marcações necessárias, devem ser bem visíveis para o Condutor, Juiz e Figurantes.

 

O Figurante deverá estar com a roupa de proteção, a manga e o bastão. A manga deverá estar provida com uma protuberância moldada para mordida do cão e a cobertura (refill)  deve ser de juta natural. O Figurante não tem que, necessariamente, ficar imóvel nas fases de vigilância  se seu movimento for necessário para manter o cão dentro de seu campo visual.. Ele não deverá, entretanto, ter qualquer postura ameaçadora ou fazer qualquer movimento de defesa que incentive o cão a morder. devendo  proteger-se com a manga. O modo  como o Condutor desarma o

Figurante, retirando-lhe o bastão, fica a critério do Condutor .

 

Pode-se trabalhar com somente um Figurante nas provas. Se houver mais de 7 cães, devem ser utilizados dois Figurantes. Numa prova, no mesmo gráu ( A, 1, 2 ou 3 ), os Condutores devem ter, para seus cães, os mesmos figurantes.

 

Cães que não se mantenham sob controle do Condutor  ou  que, durante as ações de luta e defesa, só larguem a mordida após influência corporal ou manual do Condutor ou aqueles que mordam em outras partes que não sejam a manga, devem ser desqualificados. Não há avaliação do “ IAR “ (Impulsos, Auto-confiança e Resistência à Pressão). 

 

Cães que falham nas ações de luta ou se deixam afugentar não podem prosseguir a seção “C”. Não haverá pontuação nessa seção. A avaliação do “IAR” deverá ser feita pelo Juiz.

 

É permitido 1 (um ) comando para largar em todas as ações de luta. As penalizações para o largar são conforme tabela abaixo:

 

 

 

Demora

para largar

Largar imediato após 1o

comando adicional

Demora a largar após 1o comando adicional

Largar imediato após 2o

comando adicional

Demora a largar após 2o comando adicional

Não larga após

2o comando adicional

   0,5 – 3,0 pontos

          3,0

pontos

3,5 - 6,0 pontos

6,0 pontos

6,5 – 9,0 pontos

desqualificação

 

-  Nome do cão para  largar deve ser considerado como comando adicional.

-  Comando para deitar para o cão largar significa avaliar o exercício como insuficiente.

 

 

 

 

          3.1    Revistar esconderijos                  5 pontos

 

a)     Comandos

Um comando para revistar e um para chamar o cão ( adicional ao  comando para chamar pode-se usar também o nome do cão )                 “Revista” ou “ Revier “ , Aqui ( + nome do cão opcionalmente).

 

b)    Execução

 

O Figurante esconde-se no último esconderijo, fora da área de visão do cão. O Condutor dirige-se com seu cão, sem guia, posicionando-se entre o quarto e o quinto esconderijos, de tal modo que seja possível realizar-se duas batidas laterais. Sob comando do Juiz, inicia-se, então, a seção ‘C”. O Condutor dá um curto comando para “revistar”, apontando com o braço direito ou esquerdo (movimento que pode ser repetido ) para o quinto esconderijo. O cão deverá se deslocar rápida e diretamente na direção do esconderijo, dar a volta junto e em torno dele. Após esta revista, o Condutor chama o cão para si, enviando-o, em seguida, para o esconderijo onde se encontra o Figurante, dando outro comando para “revistar”. O Condutor deve caminhar  em passos normais na linha central imaginária entre os esconderijos, não podendo sair dessa linha. O cão deverá ficar sempre à frente do Condutor ( na região entre o Condutor e o Figurante ). Quando o cão encontrar o Figurante, o Condutor deverá ficar parado. Nenhum comando poderá ser dado a partir daí.

 

c)     Avaliação

 

Deve ser avaliado correspondentemente:

Limitações na condução, lentidão nas batidas, assim como nas voltas em torno dos esconderijos, fazer as voltas afastado do esconderijo, objetividade limitada na ação

 

d)    Esquemas para esconderijos e batidas laterais